18 de agosto de 2010

A beleza do Sótao - por Ana Balbinot

 "A Poética do Espaço"... 

(copiei da Ana Balbinot do blog - A beleza de todas as coisas )


A geografia e a etnografia descrevem os mais diversos tipos de habitação, enquanto a fenomenologia procura revelar a "função original do habitar" e compreender o germe da "felicidade central, segura, imediata":
A tarefa báscia do fenomenólogo é "encontrar a concha inicial em toda moradia."
A explicitação da essência total da casa exige não só um desenvolvimento horizontal, mas também um desenvolvimento vertical.
Isto significa que as moradas devem prolongar-se para a altura e a profundidade, ou seja, devem ter um sótão e um porão:



"A verticalidade (da casa) é proporcionada pela polaridade do porão e do sótão".
O interior da casa repete o significado simbólico do de cima e do de baixo, e entre os andares existem as escadas:




"A escada que conduz ao porão tem um caráter diferente da escada que leva ao sótão".
Descemos as escadas que conduzem ao porão e subimos as escadas abruptas que levam ao sótão: as restantes escadas nós as subimos e as descemos. Descer ao porão, onde a casa mergulha as suas raízes na terra negra e úmida, significa mergulhar na noite e no frio que moram debaixo da casa e, em princípio, só os homens vão à adega buscar o vinho. Subir ao sótão é ascender para a mais tranquila solidão.





O sótão é o lugar onde ocorreram as birras de infância, a contemplação, as leituras intermináveis, o disfarce com as roupas dos nossos avós e a descoberta de imensas velharias que se ligam para sempre à alma da criança: os devaneios do sótão tornam vivos o passado familiar e a juventude dos nossos ancestrais.




A casa é um "arquétipo sintético" que evoluiu: no seu porão está a caverna e no seu sótão está o ninho. O porão é a sua raiz e representa o inconsciente, enquanto o seu telhado é o ninho e representa as funções conscientes: "A casa oniricamente completa é um dos esquemas verticais da psicologia humana".
Quem nunca sonhou em ter um quarto de brinquedos no sótão da velha casa dos avós?




Ou transformar num ninho , num espaço só seu, aquele sótão abandonado e esquecido?





Não importa se está em uma casa antiga ou numa casa nova,
o sótão sempre evoca mistério e magia






Pode ser limpo e vazio, embora isso seja temporário, pois os sótãos não ficam vazios
por muito tempo...é da natureza do sótão ser "aproveitado"






Na maioria das vezes, para guardar coisas, verdadeiros tesouros,





e quem nunca se divertiu revirando um sótão?





abrindo os baús cheios de memórias de outras épocas,



e das histórias dos nossos antepassados?





Eu fico particularmente encantada com as estruturas dos telhados.
Gosto das tesouras fortes e aparentes, do vigamento, das terças, dos caibros, e de como fazem um conjunto forte e seguro. Protetor.


Fotos de Daniela Thompson



Eu lembro do sótão da casa de praia da minha infância,
e das tardes que passei explorando revistas e livros antigos,
cheios de histórias, marcas, cheiros e poeira.



Imagem via Habitually Chic



Adoro essas imagens, de sótãos claros, frescos, amplos !

Imagem via A Mad Tea Party With Alis


Os sótãos do meu imaginário são misteriosos , divertidos , entulhados ...


e ...vocês?
 Como são os seus sótãos?


O meu particularmente, existe, mas falta a reforma qu se Deus quiser, esse ano fica pronto!
Estou louca á espera do meu refúgio!
Sem falar do meu sótãozinho imaginário, que também esta passando por reforma bruta.
Mas também esta sendo transformado e bem utilizado!kkk

 

2 comentários:

diariodumapsi disse...

Ei Samara!
Que interessante esse texto, não conhecia!
Não é a toa que o sótão fica acima da nossa cabeça, é o nosso cantinho de sonhar!
Na minha casa não tem sótão, nem porão, mas os imaginários estão lotados!
Força na sua reforma emocional. Você já conseguiu e conseguirá muito mais.
Gd beijo

Ana Balbinot disse...

Adorei! Obrigada por divulgar!
Beijos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...